\

Sejam bem vindos. O objetivo deste Blog é informar as pessoas sobre os mais variados assuntos, os quais não se vê com frequência nas mídias convencionais, em especial acerca dos direitos e luta da juventude e dos trabalhadores, inclusive, mas não só, desde o ponto de vista jurídico, já que sou advogado.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

MALDITOS HOMOFÓBICOS: Lista de vereadores que institucionalizaram a homofobia na cidade de São Paulo

  • Adilson Amadeu (PTB)
  • Agnaldo Timóteo (PR)
  • Aníbal de Freitas (PSDB)
  • Antonio Carlos Rodtigues (PR)
  • Atílio Francisco (PRB)
  • Aurélio Nomura (PV)
  • Carlos Apolinário (DEM)
  • Celso Jatene (PTB)
  • Claudinho de Souza (PSDB)
  • Dalton Silvano (Sem partido)
  • David Soares (PSC)
  • Domingos Dissei (DEM)
  • Edir Sales (DEM)
  • Floriano Pesaro (PSDB)
  • Gilson Barreto (PSDB) 
  • José Police Neto (Sem partido)
  • José Rolim (PSDB)
  • Marta Costa (DEM)
  • Milton Ferreira (PPS) 
  • Milton Leite (DEM)
  • Noemi Nonato (PSB) 
  • Paulo Frange (PTB)
  • Quito Formiga (PR)
  • Ricardo Teixeira (Sem partido)
  • Russomano (PP)
  • Sandra Tadeu (DEM)
  • Souza Santos (Sem partido)
  • Tião Farias (PSDB)
  • Toninho Paiva (PR)
  • Ushitaro Kamia (DEM)
  • Wadih Mutran (PP)

    As 31 pessoas acima citadas são vereadores da cidade de São Paulo, a maior cidade brasileira.

    Eles votaram a favor e, por conseguinte, fizeram aprovar, na última terça-feira, dia 02.07.2011, o projeto de lei 294/2005, do vereador Carlos Apolinário (DEM), que institui o Dia do Orgulho Heterossexual.

    Segundo Apolinário , o Dia do Orgulho Heterossexual é "uma forma de se manifestar contra excessos e privilégios destinados à comunidade gay".

    Nada mais homofóbico, uma vez que inexistem, na realiade de nosso país, excessos e privilégios à comunidade gay.

    Como apontado pelo Blog Molotov (clique aqui para visitar), donde buscamos as informações deste post, não há como se falar em excessos e privilégios. Será que esse verador está se referindo ao direito de apanhar e ser perseguido por ser gay, ou ao privilégio de ser assassinado por simplesmente assumir-se homossexual?

    Os homofóbicos têm que compreender que a comunidade GLBT não luta por qualquer privilégio ou excesso, mas apenas pelo direito fundamental garantido pela Constituição Brasileira para qualquer brasileiro ou brasileira: o direito à dignidade humana, do qual todos os outros direitos são conseqüências.

    Espero que o Prefeito de São Paulo tenha o bom senso de vetar esse projeto que se transformado em lei, fará apenas aumentar a intolerância e violência contra os homoxessuais.

    Malditos homofóbicos!

    Adriano Espíndola

  • Nenhum comentário:

    Ultimas postagens