\

Sejam bem vindos. O objetivo deste Blog é informar as pessoas sobre os mais variados assuntos, os quais não se vê com frequência nas mídias convencionais, em especial acerca dos direitos e luta da juventude e dos trabalhadores, inclusive, mas não só, desde o ponto de vista jurídico, já que sou advogado.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Marigjhella Vive!

Exmo. Sr. Vereador Ítalo Cardoso, DD. Presidente desta Sessão e proponente desta homenagem a Carlos Marighella;

Companheira Clara Charf, companheira de vida do Comandante Carlos Marighella, na pessoa de quem saúdo todos os companheiros e companheiras presentes a este ato,

Há quarenta anos, num dia 4 de novembro, foi assassinado Carlos Marighella. Parece-nos significativo que tanto tempo passado tantas pessoas continuem se reunindo para saudar sua luta e seu exemplo.

Como nos parece significativo que mais uma vez essa reunião se faça em torno do lema "MARIGHELLA VIVE!"

Afinal, o que leva tantas pessoas a seguirem reverenciando a memória desse militante, desse dirigente revolucionário, reafirmando sua vida?

Frequentemente ouvimos, dos dias em que a vida de Marighella foi roubada pela ditadura militar, que era um tempo heróico. Mas, se o era porque nele o herói teve vida, foi também o tempo heróico que exigiu sua heróica ação.

Pelas terras do Brasil, pelas ruas de São Paulo, Carlos Marighella andou enfrentando ditaduras, enfrentando os inimigos do povo, os inimigos do proletariado.

Mesmo quando o país viveu tempos de legalidade e constitucionalidade, Marighella não deixou de enxergar a necessidade de seu heroísmo e perseverou na dedicação à luta pelo socialismo, demonstrando com sua vida e atitudes que sempre havia tempo, que sempre havia necessidade de um Carlos Marighella.

Um Carlos que alertasse a esquerda para os riscos de confundir a tática com a estratégia, e de cair nas armadilhas quer do reformismo, quer do esquerdismo, dizendo em "A crise brasileira":

"Uma tática decorrente da estratégia revolucionária é por si mesma revolucionária, o que nada tem a ver com sectarismo e esquerdismo. Trata-se de levar as massas à luta contra a ditadura, e substituí-la, por um governo efetivamente democrático. Os meios empregados são os que as massas aceitam. Mas os comunistas devem dar exemplo do impulso revolucionário, que não se obtém - evidentemente - baseando nossa luta numa perspectiva pacífica."

Um Marighella que em momento algum baixasse a guarda ante o imperialismo, reafirmando, na mesma obra, que:

"Com o mesmo sentido de falta de substância ideológica surgiu a falsa tese da "nova tática do imperialismo". Segundo essa tese, o imperialismo norte americano não estaria interessado em golpes e ditadura. O golpe de primeiro de abril, inspirado e promovido pelos Estados Unidos com o apoio em seus agentes internos e no fascismo militar brasileiro, invalidou essa teoria, cujo principal resultado foi deixar-nos desprevenidos e perplexos ante o golpe da direita." (A Crise Brasileira)

Lembrava-nos ainda hoje e lembra-nos costumeiramente Clara Charf, sua companheira de vida, que o Comandante sempre foi capaz de separar as divergências políticas das lutas pessoais, o que lhe garantiu sempre não apenas a discussão que enriquecia seu conhecimento e sua militância, mas aquela ternura de que falava o Che que não se deve perder quando mais se endureça. Isso porque nunca esqueceu ele que, divergindo no campo dos lutadores do povo, identificamo-nos no objetivo da libertação popular. E por isso, mesmo no momento de sua ruptura com o PCB expressou veementemente:

"Embora existam dificuldades para a união das forças populares, elas não podem ter o mesmo caráter das divergências que nos separam das correntes políticas ligadas ao imperialismo." (Crítica às Teses do Comitê Central)

Essa mesma busca e expressão de unidade, tinha-a clara quando à aliança dos operários com os trabalhadores do campo,

“No esquema estratégico brasileiro o pedestal da ação do proletariado é o trabalhador rural. A aliança dos proletários com os camponeses é a pedra de toque da revolução brasileira. Não se pode fazer a luta pela democracia e pelas reivindicações nacionalistas, separando uma e outra da luta pela terra e pelos interesses das massas camponesas. É um erro relegar para o momento da decisão da decisão estratégica o processo de luta, visando a atrair a massa camponesa.”

E isso adquire especial relevância para nós hoje, quando as forças da reação, as forças do latifúndio afiam suas lanças e suas flechas para agredir o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, obrigando todos nós a nos mobilizar em defesa dos trabalhadores do campo.

Do mesmo modo, Carlos foi Marighella quando buscou tenazmente a superação dos sectarismos que separaram durante tanto tempo os cristãos dos marxistas, ensinado que

“Não importa que os moços de hoje estejam filiados a correntes filosóficas diversas. Aceitem ou não o primado da matéria e do reflexo do ser sobre a consciência, militem no campo do materialismo ou nas hostes do espiritualismo, como é o caso da plêiade de católicos preocupados com a questão social, os jovens avançam em busca de uma saída. O marxismo contemporâneo não poderá deixar de fasciná-los e estimular-lhes o espírito criador. Com a audácia e o entusiasmo que lhes são próprios, os jovens continuarão afluindo para o campo de luta.” (Porque Resisti à Prisão)

Mas, se Carlos soube ser sempre Marighella, se soube sempre ser o herói que o momento exigia isso se deveu a sua clara visão de que a existências das condições objetivas para a luta revolucionária não implicava necessariamente – é verdade – a existência da consciência revolucionária no seio do povo. Mas essa mesma consciência, só a ação dos próprios homens, dos próprios revolucionários, poderia trazê-la à luz:

"A consciência revolucionária, todavia, não se adquire espontaneamente. Na dialética marxista, quando se trata do fenômeno social, um processo de desenvolvimento jamais se efetua por via espontânea. A luta (não espontânea) é um fator imprescindível e fundamental para que o processo de desenvolvimento chegue às últimas conseqüências."

"Isto implica em atuar com firmeza onde quer que haja massas ­ nos sindicatos, nas organizações populares, feministas, estudantis, camponesas e quaisquer outras. O objetivo de tal atuação é desencadear e apoiar lutas e estimular a combatividade das massas." (A Crise Brasileira)

Marighella vive!

Marighella vive porque seu sonho, sua aspiração, a aspiração de que cesse a exploração do Brasil pelo Imperialismo, do proletariado pela burguesia, do camponês pelo latifúndio e pelo agro-negócio, do homem pelo homem, continua viva.

Mas o Comandante Carlos Marighella que homenageamos não vive no retrato na parede, nem vive nas lembranças que guardamos.

Marighella vive nesses ensinamentos e em suas atitudes que conformaram nossa herança.

Por isso, somente se soubermos corresponder às necessidades que a história põe diante de nós, Marighella poderá seguir vivendo em nossas atitudes as quais haverão de legar aos que virão na nossa esteira, na esteira desses herdeiros de Marighella, a herança do mundo solidário.

Assim como Carlos Marighella soube, em seu tempo, resgatar o grito de combate dos campos de Guararapes e das batalhas da Independência nos campos do Recôncavo baiano – “Ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil” -, saibamos nós também resgatar esse compromisso e essa certeza de que haveremos de libertar nosso povo e nosso país:

Pátria Livre! Venceremos!"

Pronunciamento de Aton Fon, advogado e companheiro de RENAP (Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares), representando os companherios do Comandante Carlos Marigjhella durante ato de entrega do Título de Cidadão Paulistano, in memoriam, a seus familiares, no dia 4 de novembro de 2009

2 comentários:

Breiner77 disse...

Maringhella foi muito importante para a configuração da história do país, inclusive para a esquerda revoluionária..
Essa homenagem é plausível.
Muito criticam as atitudes da resistência armada, porém esses muitos não os entendem. Que naquele contexto havia apenas 2 caminhos a seguir, fugir ou lutar...e a luta só podia ser armada.

Bom, gostei do blog, gostaria de manter contato entre os blogs, para construir uma troca de opiniões e tal.. já quer possuimos perfis similires, a luta contra as desigualdades, faça uma visita ao meu blog... abraço

http://killing-me77.blogspot.com/

Aristóteles Cardona Júnior disse...

Belas palavras de Marighella. Bom que esta data tão importante não passou em branco. Movimentações em várias regiões do brasil.

Para mim, um ótimo sinal de a luta está viva!

Ultimas postagens